Brasil será quinto maior mercado de energia solar do mundo até 2032

Compartilhe:

Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no linkedin
Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no email
Compartilhar no telegram

País só será superado pela China, Estados Unidos, Índia e Alemanha em termos de capacidade instalada, mostra estudo da consultoria Wood Mackenzie

O Brasil será o quinto maior mercado de energia solar do mundo até 2032, mostra estudo da consultoria Wood Mackenzie. Em termos de capacidade instalada acumulada, o país só será superado pela China, Estados Unidos, Índia e Alemanha. 

No final de 2022, o Brasil alcançou a 8ª colocação global, conforme levantamento da Agência Internacional de Energia Renovável (Irena, na sigla em inglês). Com mais de 24 GW, o país entrou pela primeira vez na história entre os dez primeiros colocados

A Wood Mackenzie calcula que o acréscimo de capacidade de energia solar deve registrar uma média anual de 4% nos próximos dez anos, chegando a 360 GW em

Capacidade acumulada de energia solar por país (2023-2032)

Crescimento em 2023

O mundo deverá acrescentar 320 GW de energia solar em 2023, estima a Wood Mackenzie. O número é 20% maior que a previsão anterior feita pela consultoria, divulgada no segundo trimestre. 

A análise indica que as instalações fotovoltaicas mantêm forte ritmo de crescimento graças a políticas de incentivo, preços atrativos e a versatilidade da tecnologia. O mercado segue acelerando na China, onde 164 GW deverão ser adicionados nesse ano. 

A Europa deverá acrescentar 54 GW de energia solar em 2023, com o segmento de geração distribuída vivendo um período forte aquecimento desde o início da guerra entre Rússia e Ucrânia. 

A Wood Mackenzie indica que, embora altas taxas de juros e pressões inflacionárias limitem as instalações em alguns mercados, o investimento em sistemas fotovoltaicos segue economicamente atrativo, em razão do encarecimento dos preços de energia no continente. Preocupações com a segurança energética também impulsionam as instalações. 

Após uma queda de 13% em 2022, os Estados Unidos deverão adicionar 32 GW e registrar um crescimento de 52%, com a diminuição das restrições na cadeia de fornecimento. Desenvolvedores de projetos de geração centralizada estão acelerando as construções, antecipando mudanças tarifárias previstas para 2024. 

O estudo destaca que diversos países estão buscando estabelecer cadeias de fornecimento doméstico de tecnologia solar fotovoltaica, buscando minimizar a dependência em relação a China. Os EUA lideram em número de anúncios de novas fábricas. Caso todos esses investimentos sejam concretizados, o país aumentará a capacidade produtiva em dez vezes nos próximos três anos.

Fonte: Portal Solar

Compartilhe!