Crise hídrica aquece o mercado de franquias de energia solar

Em função da crise energética, o setor de energia solar vem se desenvolvendo muito no Brasil. Segundo um levantamento da Absolar, as usinas de energia solar ultrapassaram as termelétricas a carvão. Na esteira deste crescimento, os negócios voltados para a produção de energia também foram impulsionados. No setor de franquia, por exemplo, as empresas têm observado aumento tanto no interesse de candidatos à compra de unidades como de clientes.

Na esteira deste crescimento, os negócios voltados para a produção de energia também foram impulsionados. No setor de franquia, por exemplo, as empresas têm observado aumento tanto no interesse de candidatos à compra de unidades como de clientes.

Vendas de geradores e painéis solares disparam com crise hídrica

No caso da Solarprime, a empresa tem 430 franquias em todos os estados e Distrito Federal. Destas, 106 foram abertas este ano, até o mês de agosto. A base de cliente cresceu 90% em comparação com 2020. O investimento inicial para uma franquia é a partir de R$ 27 mil, na modalidade home office.- É um mercado com muita concorrência. São 16 mil concorrentes. A franquia é opção para o candidato que quer entrar no mercado com uma base mais sólida e uma marca forte.

No caso da Blue Sol Energia Solar, a rede passou de 30 franquias para 150 unidades em um ano. Para Lyana Bittencourt, CEO do Grupo Bittencourt,  a crise energética tem contribuído para os negócios que focam no desenvolvimento de novas fontes de energia, como as empresas de painéis solares.- Com um número crescente de consumidores enxergando a produção própria de energia como alternativa para reduzir a conta de luz, cresce a possibilidade de opções para os diferentes tipos de empreendedores que desejam atuar num modelo de negócio que além de rentável é também ambientalmente responsável. E isso traz benefícios, tanto para o empreendedor quanto para a sociedade.

O Globo

Compartilhe!

Escreva seu comentário.