Do Mundo da Fantasia a Realidade

Após exaustivo levantamento nas contas de unidades consumidoras do Grupo B, realizado em dezembro de 2020 com várias distribuidoras constatamos, como pode ser observado nos gráficos abaixo, sérias distorções no que se refere a parcela A e B do cálculo tarifário.
No website da Aneel, gráfico superior, informa-se que os custos referente a distribuição de energia são da ordem de 17% do valor final da energia elétrica.
A realidade é totalmente diferente. Os custos com transporte de energia, ou seja, transmissão (7,5%) e distribuição (40%), juntos com os encargos ultrapassam 50% do valor final da energia.
O que consumimos, ou seja, a energia propriamente dita, representa insignificantes 18% do valor final do preço da energia.
Utilizando a fórmula das Parcelas A e B, constata-se que as parcelas A = 28,5%, B = 40% e os Tributos = 31,5%, respectivamente.
Pergunta-se:
1. Qual o setor que sobrevive com custos tão altos de transporte? talvez seja o frete mais caro do Mundo.
2. O que motivou a subida vertiginosa dos custos de distribuição? a resposta pode estar nos encargos da CDE.
3. Como uma agência reguladora torna público algo que não condiz com a realidade que acomete o bolso do consumidor de energia brasileiro?

#taxarosolnao

Não foi fornecido texto alternativo para esta imagem
Daniel Lima - Diretor RDSOL Rede de Negócios em Energia
Daniel Lima – Diretor RDSOL Rede de Negócios em Energia
 Presidente | Associação Nordestina de Energia Solar- ANESOLAR

Compartilhe!