A GERAÇÃO DISTRIBUÍDA COMO FATOR DE ENFRENTAMENTO DA PANDEMIA DO COVID-19

Foto Divulgação

A região mineira da SUDENE, composta por Norte de Minas e Vales do Jequitinhonha e Mucuri, é a mais pobre do Estado e terá o problema da desigualdade social agravado de forma abrupta, em consequência da pandemia do COVID 19. Na região há pouco mais de 2.700.000 habitantes, dos quais mais de 1.500.000 são pobres e destes 720.000 aproximadamente são extremamente pobres.

A proposta do setor de micro-geração é a implementação do projeto SEJA SOLAR, SEJA SOLIDÁRIO.

Essa proposta está sendo discutida com as associações de municípios para que todos os prédios públicos das prefeituras dessa região (165 municípios) passem a consumir energia solar. A partir deste exemplo, espera-se que empresas e pessoas físicas passem a fazer o mesmo.

SER SOLAR é consumir energia limpa, renovável e sustentável.

SER SOLIDÁRIO é consumir energia gerada por seu conterrâneo, seu vizinho, por um empreendedor ou empresa local, por uma família carente ou por um pequeno produtor rural.

Em suma distribuir a riqueza entre os que moram e trabalham no município. O projeto está evoluindo bem e espera-se a adesão expressiva das prefeituras e que empresas das cidades façam o mesmo. Se todas as prefeituras da região aderirem, serão R$10 milhões de contas de energia por mês que ficarão circulando na economia regional, mais os investimentos de instalação que serão feitos comprando equipamentos de pequenas integradoras.  

Os grandes projetos de energia fotovoltaica, na modalidade Geração Centralizada, fazem importação direta de equipamentos, contratam mão de obra de fora, de grandes empresas e pouco contribuem para a redução das desigualdades sociais.

Em janeiro de 2020 foram iniciadas as tratativas com o Banco de Desenvolvimento do estado de Minas Gerais, BDMG, na época, o presidente do BDMG havia viajado para a Europa para negociar junto ao Banco Europeu de Investimento, BEI, a captação de recursos para estímulo ao setor de energias renováveis.

 A negociação evoluiu e foi fechado um negócio de $100 milhões de euros entre o BDMG e o BEI.  Após isso foi solicitado ao Presidente Sérgio Shuchodolski Gusmão que, ao invés de privilegiar o financiamento de poucos projetos de Geração Centralizada, que já estava pleiteando o recurso, firmasse uma parceria com a ABGD, Associação Brasileira de Geração Distribuída e as associações de municípios, para incentivar a Micro-Geração Distribuída.

O próximo passo foi a assinatura de um protocolo na cidade de Montes Claros, no dia 12 de março de 2020, mas no dia seguinte, foi reconhecida a pandemia, em virtude da proliferação do COVID19. A solução adotada foi fazer trabalho remoto para as adequações e formatação da linha de crédito. A concepção tem como principal estratégia financiar o projeto “SEJA SOLAR, SEJA SOLIDÁRIO”, pensada antes desta crise.  

Agora, o momento sugere que o projeto seja repaginado, solicitando a flexibilização dos critérios e desburocratização, diante da nova situação. A aplicação do projeto é agora mais que viável, é urgente, necessária e indispensável.

Autor: Walter AbreuCapacete Amarelo do Movimento Solar Livre, Diretor ABG MINAS GERAIS, Sócio da SER-TÃO SOLAR

Compartilhe!