Primeiramente vamos entender um pouquinho sobre a analogia do título deste artigo, para não acharem que eu perdi o juízo. As pérolas das ostras são resultado da entrada de uma substância estranha ou indesejável no interior da ostra, como um parasita, por exemplo. O sistema imunológico da ostra envolve o corpo estranho com o nácar, sufocando-o para proteger a ostra, criando assim a pérola.
Ontem a sociedade brasileira tomou conhecimento de mais uma “pérola”, desta feita produzida por um órgão colegiado brasileiro. Essa “pérola” é o documento mais direcionado que li até hoje, e vai de encontro a micro e minigeração distribuída de energia, um dos poucos setores que continuam ampliando a geração de impostos e empregos no Brasil.
O processo que origina as pérolas está acontecendo no setor elétrico brasileiro com relação a geração distribuída de energia, que está sendo encarada pelos monopólios que dominam o setor como corpo estranho ou parasita indesejável, e assim, tentam sufocá-la de todas as maneiras.
A “pérola” divulgada esta semana, afirma que o crescimento da energia solar não vai diminuir o acionamento de termelétricas no Brasil. Pasmem!!!
Estão querendo taxar o sol, será que conseguem?
#taxarOSolNão

Foto do perfil de Daniel Lima - Diretor RDSOL
Daniel Lima – Diretor RDSOL- Presidente Associação Nordestina de Energia Solar- ANESOLAR

Compartilhe!